domingo, 19 de janeiro de 2014

Nossas almas são como flores tenras à mercê dos ventos 
do destino... Elas tremulam à brisa da manhã 
e curvam as cabeças sob o orvalho cadente do Céu.

Gibran Kalil Gibran 


Nenhum comentário:

Postar um comentário